Qual a validade e segurança de um contrato verbal?

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Nosso ordenamento admite expressamente a perfeita validade dos contratos verbais, desde que que possua agente capaz, objeto lícito (e possível), e determinado (ou determinável).
No Código Civil, Art. 107. A validade da declaração de vontade não dependerá de forma especial, senão quando a lei expressamente a exigir.
Dessa forma, uma declaração de vontade, para ser admitida em Direito, não depende de forma especial, exceto quando a Lei exigir. Assim o negócio jurídico, ainda que verbal, poderá ser demonstrado pelo simples “aceite” ou manifestação da vontade das partes.
A grande questão é a prova de sua existência, que em Juízo, no entanto, pode ser realizada por meio de testemunhas, documentos, objetos ou outros meios, inclusive periciais.
Embora diversos posam ser os negócios jurídicos verbais validados pela Justiça, por força da segurança legal, se aconselha sempre sejam aperfeiçoados por meio da forma escrita, se pode exigir sua execução na Justiça de forma imediata, independente de comprovação prévia, como na hipótese de negócios verbais.
Mais atualmente, os meios eletrônicos, como mensagens de WhatsApp, ou de e-mail, tem amplamente sido admitidos como meio de prova, inclusive para fins de aferição da boa-fé das partes, essencial na hipótese.
Na dúvida, procure sempre reduzir por escrito qualquer negócio de vulto, buscando sempre que possível, a orientação de um Profissional do Direito.